VERSOS POÉTICOS – Sonho de Carne e Osso

  • A mulher que amarei,
  • Que amo hoje,
  • Que tenho amado,
  • Já não lembro quando ví,
  • Ou sequer, seu nome,
  • Mas, como ninguém, a conheço.
  •  
  • Sei que, às vezes, é morena,
  • Mas, outras vezes, já não é.
  • Embora exiba sempre uma boa altura
  • – do justo tamanho da sua dignidade -.
  • E, como eu, gosta do sol e do mar
  • E secretamente nutre planos de vida com eles -,
  •  
  • É, também, de ler, de escrever,
  • De conversar, de rir,
  • De passear, de dançar,… de amar.
  • Mas, leva sempre a sério o seu trabalho,
  • o seu ganha pão
  • – mesmo sabendo que outras coisas há a se fazer na vida -.
  • E, ao me ter por perto, pra mim, alegria mostra,
  • Mesmo quando cansada,
  • Mesmo quando chateada,
  • Mesmo quando resfriada.
  • E, ainda, haverá de ter, comigo,
  • Intermináveis conversas
  • – sobre tudo e sobre nada –
  • Insubstituível parceira em sonhos e planos na vida.
  •  
  • E quando quer se fazer bonita
  • – e, pra mim, todo tempo é tempo -.
  • O mundo – todinho – para um instante, pra vê-la passar.
  • É quando fico todo orgulhoso,
  • É quando vou fico todo vaidoso.
  •  
  • Nem por isso deixando de ter o devido cuidado
  • Com as coisas do meu peito,
  • Onde se incluem, coisas de toda ordem,
  • Coisas de todo tamanho,
  • Coisas de todo lugar,
  • Vez por outra repetindo,
  • Como se eu não soubesse
  • com sua voz mansa e familiar –,
  • Que gosta muito de gostar de mim.
  •  
  • E como ninguém mais no mundo
  • – exceção da minha mãe –
  • Terá o jeito firme e único de me devolver à calma
  • E até me fazer envergonhado
  • Quando, como um burro brabo,
  • Eu empacar no caminho, desconfiado,
  • E quiser escoicear,
  • Quem tentar se aproximar.
  •  
  • E, quando eu estiver triste
  • – como dizia o poeta Bandeira, triste de não ter jeito -,
  • Quando o destino vier temperar minha vida
  • Com o gosto amargo da frustração,
  • Vai saber me botar no colo,
  • Apertar-me contra o seu peito,
  • Contar-me estórias bonitas,
  • Pra minha tristeza espantar.
  •  
  • E, de quebra, um pro outro,
  • Viveremos com cuidado de não fazer nada
  • Que precise concerto.
  • De tal sorte
  • Que pedir perdão será um verbo,
  • Em nenhum tempo,
  • Em nenhuma pessoa,
  • Em nenhuma situação,
  • – por desnecessário –
  • Passível de conjugação.
  •  
  • E, finalmente,
  • Nos momentos da nossa intimidade,
  • Nos momentos do nosso amor,
  • Será a inesquecível companheira,
  • A insubstituível parceira,
  • Que o simples viver com ela,
  • Que o simples viver pra  ela,
  • Será o meu prêmio maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *